O Direito ao Esquecimento e sua compreensão pelo STF

Nos últimos anos, o debate sobre o direito ao esquecimento tem ganhado destaque nos meios jurídicos e sociais, especialmente diante do avanço tecnológico e da disseminação de informações na era digital. Este artigo explora a compreensão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre esse direito fundamental, suas implicações legais e os desafios enfrentados na sua aplicação, em um contexto marcado pela proteção da privacidade e pela liberdade de expressão.

O que é o direito ao esquecimento? 

Em linhas gerais, o direito ao esquecimento é o direito que a pessoa tem de não ter exposto publicamente acontecimentos ocorridos no passado. Dessa forma, isso ocorre de modo a evitar constrangimentos. Apesar de não ter previsão legal, esse direito é entendido como uma consequência do direito à vida privada, disposto no art. 5º, X, da Constituição Federal.

Como é reconhecido no STF:

Uma recente discussão sobre esse tema que ocorreu no Superior Tribunal Federal, referente a reconstituição feita pela emissora TV Globo. Neste caso, foi reconstituído um crime que teve por consequência a morte da jovem Aída Cury. Assim, esse acontecimento fez com que o entendimento sobre esse direito se alterasse.

Foi firmada, no julgamento, a seguinte tese de repercussão geral: “É incompatível com a Constituição Federal a ideia de um direito ao esquecimento, assim entendido como o poder de obstar, em razão da passagem do tempo, a divulgação de fatos ou dados verídicos e licitamente obtidos e publicados em meios de comunicação social – analógicos ou digitais. Eventuais excessos ou abusos no exercício da liberdade de expressão e de informação devem ser analisados caso a caso, a partir dos parâmetros constitucionais, especialmente os relativos à proteção da honra, da imagem, da privacidade e da personalidade em geral, e as expressas e específicas previsões legais nos âmbitos penal e cível”.

Assim, a regra geral é a de que “o direito ao esquecimento não pode ser utilizado de forma abstrata para proibir a veiculação de fatos verdadeiros, obtidos de forma lícita, após a passagem de um longo período de tempo”.

Essa tese se fundamenta na importância da liberdade de expressão para a democracia, fixando a prevalência dos direitos à informação e à imprensa em detrimento do direito à privacidade, porém, deixa em aberto a aplicação do direito ao esquecimento em alguns casos concretos em que há o abuso na forma que a notícia é publicada.

Diante das diversas questões levantadas em torno do direito ao esquecimento e da sua interpretação pelo STF, torna-se evidente a necessidade de um equilíbrio delicado entre a proteção da privacidade individual e a garantia da liberdade de expressão. Nesse cenário complexo, a atuação de um advogado especializado é fundamental para orientar e defender os direitos dos indivíduos diante de conflitos que possam surgir. Se você busca assistência legal para questões relacionadas ao direito ao esquecimento ou outras áreas do direito civil e constitucional, entre em contato conosco para uma consulta personalizada.

Proteja seus direitos com a orientação de um advogado experiente. Agende sua consulta hoje mesmo.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Precisa de ajuda Jurídica?

Tire suas dúvida sobre:

  • contratos
  • benefício previdenciário
  • direito do consumidor
  • e vários outros temas.
Reproduzir Vídeo Sobre Vídeo Institucional PFJ Advocacia.