Eu posso desistir de um consórcio?

O consórcio é uma modalidade de compra que atrai muitos consumidores pela possibilidade de adquirir bens de forma planejada e parcelada. No entanto, surgem dúvidas sobre a possibilidade de desistência em determinados momentos. Neste artigo, vamos explorar se é possível desistir de um consórcio, os direitos do consumidor nessa situação e os procedimentos necessários para fazê-lo.

Segundo o art. 49 do Código de Defesa do Consumidor, o consorciado poderá desistir do contrato  7 dias depois de sua assinatura ou do recebimento do produto ou do serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio. Além disso, o parágrafo único do mesmo artigo indica a possibilidade de devolução dos valores eventualmente pagos, monetariamente atualizados, se o consumidor exercer o direito de arrependimento disposto neste artigo.

E se já tiver pago mais parcelas?

Nesta situação, ocorrerá a cota cancelada. O cotista poderá formalizar a desistência perante a administradora, observando o disposto em contrato, inclusive em relação a abuso de direito.

Segundo a Lei 11.795/2008, que dispõe sobre o Sistema de Consórcio, o desistente poderá receber a restituição do valor pago se sorteado, mensalmente, dentro das cotas canceladas. Será descontado deste valor a multa por quebra de contrato e também a taxa de administração.

Caso isso não ocorra, a restituição ocorrerá somente após 30 dias do encerramento do consórcio. Contudo, com a gravidade dos reflexos que, por exemplo, a pandemia do COVID-19 trouxe, demonstrado a excessiva onerosidade bem como a necessidade do recebimento, pode-se tentar, pela via administrativa, e não sendo esta efetiva, a via judicial para a restituição dos valores.

Por isso, procure seu advogado para ter mais informações acerca de seu caso.

E se eu já tiver recebido a carta de crédito?

Esta é a situação mais complexa, já que o consorciado já recebeu o valor acordado em contrato. Assim, caso já tenha utilizado o valor, ficará obrigado a permanecer dentro do consórcio. Contudo, cada caso, dependendo do prejuízo, poderá ir ao Judiciário para se solucionar.

Por outro lado, se sorteado e queira desistir do contrato, não tendo usado ainda a carta de crédito, poderá realizar a chamada descontemplação. Nesta, irá devolver o dinheiro e aguardar o sorteio da restituição dos valores pagos dentro das cotas canceladas.

Outras soluções

Você poderá, ainda, negociar com a administradora a diminuição do valor das parcelas, aumentando o número das prestações. Além disso, analisando as regras do grupo, a administradora poderá também diminuir o valor da carta de crédito, desobrigando em parte o cotista.

Outra possibilidade também é a transferência ou a venda da cota. Poderá ser solicitado o pagamento de uma taxa de transferência, devendo ser bem pensado o valor a ser pago pelo interessado, já que ele receberá mais rapidamente o valor.

Desistir de um consórcio pode ser uma decisão importante, mas é fundamental entender seus direitos e as consequências dessa escolha. Se você está considerando desistir de um consórcio e precisa de orientação jurídica sobre seus direitos como consumidor, entre em contato conosco. Nossos advogados especializados estão disponíveis para oferecer suporte e orientação personalizada, garantindo que você tome a melhor decisão para sua situação financeira e legal.

Proteja seus direitos como consumidor. Agende uma consulta com nossos advogados especializados para obter orientação jurídica sobre desistência de consórcio.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Precisa de ajuda Jurídica?

Tire suas dúvida sobre:

  • contratos
  • benefício previdenciário
  • direito do consumidor
  • e vários outros temas.
Reproduzir Vídeo Sobre Vídeo Institucional PFJ Advocacia.